sábado, 29 de janeiro de 2011

Um projecto digno de ser conhecido




Queridos Amigos do Coração venho convidar-vos a conhecer mais um projecto que irá ser um sucesso no futuro próximo.

6 comentários:

Francisco Domingues disse...

Olá, Maria de Fátima!
Entrei para lhe agradecer se ter tornado minha seguidora, conhecer seu blog e seu perfil e desejar-lhe um óptimo 2011. Não sou muito pelas terapias à margem da Ciência, se bem que reconheço que o efeito placebo é muitas vezes a solução onde a Medicina claramente não tem resposta. O espírito humano é muito complexo e muitas vezes não se deixa metrizar. Virei, no entanto, mais vezes. Queria também deixar um pensamento talvez tolo, mas interessante para quem gosta de questionar o legado dos nossos antepassados:
Acabámos de celebrar o Natal e... sabia que o Natal não existe? Curioso, não é?
Pois: o Natal foi inventado pela Igreja para “cristianizar” as festas pagãs em honra dos deuses solares, Mitra e outros, que se celebravam, por todo o império romano, ao redor do solstício de Inverno, como início do renascimento para uma vida nova, a da Primavera. Teve o seu aparecimento no s. IV, na Igreja Ocidental (25 de Dezembro – calendário Gregoriano) e no s. V na Oriental (7 de Janeiro – calendário Juliano). A narrativa do nascimento de Jesus de Mateus, ampliada por Lucas (nada sendo referido nem em Marcos nem em João), uma e outra são puras invenções sem qualquer credibilidade histórica nem qualquer verosimilhança (No inverno, os pastores não dormem ao relento...) Portanto, o Menino Jesus do catecismo não existiu. Muito menos o Deus Menino! E o mundo inteiro festeja algo de inexistente... Dá que pensar, não dá? (Ver mais no meu blog “Em nome da Ciência” cujo acesso é: http://ohomemperdeuosseusmitos.blogspot.com)
Agora, associando-me ao luto de nossos irmãos brasileiros e fazendo votos para que semelhantes tragédias não voltem a acontecer no país irmão, uma outra ideia: apesar das catástrofes que vão acontecendo pelo mundo, com muita probabilidade provocadas pelas alterações climáticas e ambientais devidas à acção do Homem, o mesmo Homem, através dos seus governos subjugados aos interesses económico-financeiros de alguns (5% da população mundial, isto é, os que detêm 95% da riqueza produzida à face da Terra), não vai pôr-lhe cobro; preferirá assistir a novas catástrofes em que, como de costume, os mais fracos e pobres são os que irão continuar a sofrer. Inutilmente! Há que lutar para mudar estes sistemas e estes modelos não só políticos mas também económico-financeiros. Como? – Ver no meu blog “Ideias-Novas” cujo acesso é: http://ummundolideradopormulheres.blogspot.com
Francisco Domingues

Maria de Fátima disse...

Olá Francisco, obrigada pela visita.Beijos.

manuel marques disse...

Grato pela dica.

Beijo.

Hugo de Oliveira disse...

Passando pra te desejar um ótimo final de semana.

abraços
de luz e paz

Maria de Fátima disse...

Olá Manuel, obrigada pela visita.Beijocas.

Maria de Fátima disse...

Olá Hugo, obrigada e boa semana.Beijocas.